terça-feira, 30 de março de 2010

TEATRO ANCHIETANO/TEATRO JESUÍTICO

http://educaterra.terra.com.br/literatura/conquistadores/conquistadores_11.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Teatro_do_Brasil#Teatro_Anchietano

http://www.unioeste.br/prppg/mestrados/letras/revistas/travessias/ed_002/educacao/teatrojesuitico.pdf

http://www.prac.ufpb.br/anais/xenex_xienid/xi_enid/monitoriapet/ANAIS/Area2/2CCHLADLCVMT01.pdf

http://www.filologia.org.br/abf/volume3/numero1/06.htm

http://iberystyka.uw.edu.pl/pdf/Itinerarios/vol-6/09_Kalewska.pdf

http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_031.html

http://www.mundofilosofico.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=209:a-funcao-pedagogica-e-cultural-do-teatro-jesuitico&catid=30:pedagogia-uenp&Itemid=18

http://www.fflch.usp.br/dh/ceveh/public_html/biblioteca/livros/teatro_fe/tf-p-l-cap2.htm

http://www.portaleducacao.com.br/arquivos/arquivos_sala/media/objeto_de_aprendizagem_pluralidade_linguistica_escola_be_a_ba.pdf

http://claraduran.blogspot.com/2009/03/o-teatro-esuitico-na-europa-e-no-brasil.html

http://www.ceart.udesc.br/revista_dapesquisa/volume2/numero2/cenicas/Edelcio%20-%20Carla.pdf

JOSÉ DE ANCHIETA E GIL VICENTE

http://www.letras.puc-rio.br/Catedra/revista/8Sem_13.html

domingo, 28 de março de 2010

LITERATURA BRASILEIRA - FASES E MESTRES

http://www.paralerepensar.com.br/literatura_bras.htm

Barroco em Portugal e Literatura informativa (com exercícios resolvidos)

http://www.scribd.com/doc/3374031/Literatura-Aula-05-Barroco-em-Portugal-e-Literatura-informativa

EXERCÍCIOS - QUINHENTISMO E BARROCO (respostas ao final)

http://guiadoestudante.abril.com.br/estude/simulados/literatura-6-quinhentismo-barroco-503347.shtml

LITERATURA BRASILEIRA DO QUINHENTISMO AO PARNASIANISMO

http://www.moisesneto.com.br/quinhentismo.pdf

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - QUINHENTISMO/BARROCO/ARCADISMO

EXERCÍCIOS RESLVIDOS: QUINHENTISMO/LITERATURA DE INFORMAÇÃO/LITERATURA JESUÍTICA

01. As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

a) Literatura informativa sobre o Brasil (crônica) e literatura didática, catequética (obra dos jesuítas).
b) Romances e contos dos primeiros colonizadores.
c) Poesia épica e prosa de ficção.
d) Obras de estilo clássico, renascentista.
e) Poemas românticos indianistas.

Resposta: A

02. A literatura de informação corresponde às obras:

a) barrocas;
b) arcádicas;
c) de jesuítas, cronistas e viajantes;
d) do Período Colonial em geral;
e) n.d.a.

Resposta: C

03. Qual das afirmações não corresponde à Carta de Caminha?

a) Observação do índio como um ser disposto à catequização.
b) Deslumbramento diante da exuberância da natureza tropical.
c) Mistura de ingenuidade e malícia na descrição dos índios e seus costumes.
d) Composição sob forma de diário de bordo.
e) Aproximações barrocas no tratamento literário e no lirismo das descrições.

Resposta: E

04. (UNISA) A “literatura jesuíta”, nos primórdios de nossa história:

a) tem grande valor informativo;
b) marca nossa maturação clássica;
c) visa à catequese do índio, à instrução do colono e sua assistência religiosa e moral;
d) está a serviço do poder real;
e) tem fortes doses nacionalistas.

Resposta: C

05. A importância das obras realizadas pelos cronistas portugueses do século XVI e XVII é:

a) determinada exclusivamente pelo seu caráter literário;
b) sobretudo documental;
c) caracterizar a influência dos autores renascentistas europeus;
d) a deterem sido escritas no Brasil e para brasileiros;
e) n.d.a.

Resposta: B

06. Anchieta só não escreveu:

a) um dicionário ou gramática da língua tupi;
b) sonetos clássicos, à maneira de Camões, seu contemporâneo;
c) poesias em latim, portugueses, espanhol e tupi;
d) autos religiosos, à maneira do teatro medieval;
e) cartas, sermões, fragmentos históricos e informações.

Resposta: B

07. São características da poesia do Padre José de Anchieta:

a) a temática, visando a ensinar os jovens jesuítas chegados ao Brasil;
b) linguagem cômica, visando a divertir os índios; expressão em versos decassílabos, como a dos poetas clássicos do século XVI;
c) temas vários, desenvolvidos sem qualquer preocupação pedagógica ou catequética;
d) função pedagógica; temática religiosa; expressão em redondilhas, o que permitia que fossem cantadas ou recitadas facilmente.
e) n.d.a.

Resposta: D

09. (UNIV. FED. DE SANTA MARIA) Sobre a literatura produzida no primeiro século da vida colonial brasileira, é correto afirmar que:

a) É formada principalmente de poemas narrativos e textos dramáticos que visavam à catequese.
b) Inicia com Prosopopéia, de Bento Teixeira.
c) É constituída por documentos que informam acerca da terra brasileira e pela literatura jesuítica.
d) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação artística e pedagógica.
e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o homem, ao relatar as condições encontradas no Novo Mundo.

Resposta: C

10. (UFV) Leia a estrofe abaixo e faça o que se pede:

Dos vícios já desligados
nos pajés não crendo mais,
nem suas danças rituais,
nem seus mágicos cuidados.
(ANCHIETA, José de. O auto de São Lourenço [tradução e adaptação de Walmir Ayala] Rio de Janeiro: Ediouro[s.d.]p. 110)

Assinale a afirmativa verdadeira, considerando a estrofe acima, pronunciada pelos meninos índios em procissão:

a) Os meninos índios representam o processo de aculturação em sua concretude mais visível, como produto final de todo um empreendimento do qual participaram com igual empenho a Coroa Portuguesa e a Companhia de Jesus.
b) A presença dos meninos índios representa uma síntese perfeita e acabada daquilo que se convencionou chamar de literatura informativa.
c) Os meninos índios estão afirmando os valores de sua própria cultura, ao mencionar as danças rituais e as magias praticadas pelos pajés.
d) Os meninos índios são figura alegóricas cuja construção como personagens atende a todos os requintes da dramaturgia renascentista.
e) Os meninos índios representam a revolta dos nativos contra a catequese trazida pelos jesuítas, de quem querem libertar-se tão logo seja possível.

Resposta: A
http://www.coladaweb.com/questoes/portugues/qui-secxvi.htm

quarta-feira, 24 de março de 2010

Simulado de Literatura Portuguesa (com respostas)

1
. (Fuvest-SP) “Coube ao século XIX a descoberta surpreendente da nossa primeira época lírica. Em 1904, com a edição crítica e comentada do Cancioneiro da Ajuda, por Carolina Michaelis de Vasconcelos, tivemos a primeira grande visão de conjunto do valiosíssimo espólio descoberto.” C. Primão
a) Qual é essa “primeira época lírica”?
R.
b) Que tipos de composições poéticas se cultivaram nessa época?
R.

2
(MACK) Marque a alternativa incorreta a respeito do Humanismo:
a) Época de transição entre a Idade Média e o Renascimento.
b) O teocentrismo cede lugar ao antropocentrismo.
c) Fernão Lopes é o grande cronista da época.
d) Garcia de Resende coletou as poesias da época, publicadas em 1516 com o nome de Cancioneiro Geral.
e) A Farsa de Inês Pereira é a obra de Gil Vicente cujo assunto é religioso, desprovido de crítica social.

3
(FUVEST) Aponte a alternativa correta em relação a Gil Vicente:
a) Compôs peças de caráter sacro e satírico.
b) Introduziu a lírica trovadoresca em Portugal.
c) Escreveu a novela Amadis de Gaula.
d) Só escreveu peças em português.
e) Representa o melhor do teatro clássico português.

4
(FESL-SP) Em Os Lusíadas, Camões:
a. narra a viagem de Vasco da Gama às Índias.
b. tem por objetivo criticar a ambição dos navegantes portugueses que abandonam a pátria à mercê dos inimigos para buscar ouro e glória em terras distantes.
c. afasta-se dos modelos clássicos, criando a epopéia lusitana, um gênero inteiramente original na época.
d. lamenta que, apesar de ter domado os mares e descoberto novas terras, Portugal acabe subjugado pela Espanha.
e. tem como objetivo elogiar a bravura dos portugueses e o faz através da narração dos episódios mais valorosos da colonização brasileira.

5
(UFPa-PA) Pode-se afirmar que o velho do Restelo é:
a. personagem central de Os Lusíadas.
b. o mais fervoroso defensor da viagem de Gama.
c. símbolo dos que valorizam a cobiça e a ambição.
d. símbolo das forças contrárias às investidas marítimas lusas.
e. a figura que incentiva a ideologia expansionista.

6
ESAL-MG - Assinale a alternativa que contém características incompatíveis com o estilo de época conhecido por Barroco:
a. contradições, sobrenatural humanizado, céu e terra ligados.
b. gosto pela polêmica, pelo panfleto, colisão de cores e excesso de relevos.
c. sentido de universalidade, racionalismo e objetividade.
d. as coisas, pessoas e ações não são descritas mas apenas evocadas e refletidas através da visão das personagens.
e. largo sentimento de grandiosidade e esplendor, de pompa e grandeza heróica, expressos na tendência ao exagero e nos hiperbólico.

7
(FUVEST-SP) A respeito de Pe. Antônio Vieira, pode-se afirmar:
a. Embora vivesse no Brasil, por sua formação lusitana não se ocupou de problemas locais.
b. Procurava adequar os textos bíblicos às realidades de que tratava.
c. Dada sua espiritualidade, demonstrava desinteresse por assuntos mundanos.
d. Em função de seu zelo para com Deus, utilizava-o para justificar todos os acontecimentos políticos e sociais.
e. Mostrou-se tímido diante dos interesses dos poderosos.

8
(Uneb-BA)
“Ornemos nossas testas com as flores
E façamos de feno um brando leito
Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
Gozemos do prazer de sãos Amores.
Sobre as nossas cabeças,
Sem que o possam deter, o tempo corre;
E para nós o tempo, que passa,
Também, Marília, morre.”
A estofe acima constitui um exemplo da época:
a) barroca, pela oposição entre os apelos da vida material e os aspectos espirituais do sentimento humano;
b) arcádica, pelo ideal de vida simples e consciência da transitoriedade da vida, valorizando o momento presente;
c) romântica, pela extrema subjetividade, com a valorização do sentimento amoroso por meio da idealização da mulher.
d) simbolista, pela fuga à realidade e tentativa de construção de um mundo próprio, de paixão e sonho;
e) realista, pela visão objetiva dos problemas cotidianos, como o envelhecimento e a morte, que destroem o relacionamento humano.

9
Observando as características arcádicas que se apresentam nos quartetos, pode-se afirmar corretamente que são da autoria de:
Olha, Marília, as flautas dos pastores
Que bem que soam, como estão cadentes!
Olha o Tejo, a sorrir-se! Olha, não sentes
Os Zéfiros brincar por entre as flores?
Vê como ai beijando-se os Amores
Incitam nossos ósculos ardentes!
Ei-las de planta em planta as inocentes,
As vagas borboletas de mil cores!
a) Camões;
b) Bernardino Ribeiro;
c) Bocage;
d) Marquesa de Aloma;
e) Nicolau Tolentino.

10
Relacione autores e obras
a) Almeida Garrett
b) Alexandre Herculano
c) Soares de Passos
d) Camilo Castelo Branco
e) João de Deus
f) Júlio Dinis
( ) Amor de Salvação
( ) Eurico, o Presbítero
( ) Campo de Flores
( ) Folhas Caídas
( ) Pupilas do Senhor Reitor
( ) O Noivado do Sepulcro

11
Assinale:
a) Se corresponder a autor da 1ª geração romântica portuguesa (resíduos clássicos).
b) Se corresponder a autor da 2ª geração romântica (ultra-romantismo).
c) Se corresponder a autor da 3ª geração romântica (antecipações realistas).
( ) Camilo Castelo Branco
( ) Soares Passo
( ) Júlio Dinis
( ) João de Deus
( ) Garrett
( ) Alexandre Herculano
( ) Castilho

12
Assinale somente as características realistas abaixo relacionadas:
a ) ênfase na fantasia
b) ênfase na realidade
c) predomínio da emoção
d) predomínio da razão
e) objetivismo
f) subjetivismo
g) escapismo (a literatura como forma de fugir da realidade)
h) engajamento (a literatura como forma de transformar a realidade)
i) idealização dos personagens
j) retrato fiel das personagens
l) universalismo
m) nacionalismo

13
(UFPI) Quando dizemos: análise da pessoa como ser totalmente produto de momento/raça/meio, sem possibilidade de reação subjetiva: tentativa de consertar uma sociedade tida como degenerada são aspectos de que movimento literário?
a) Realismo
b) Romantismo
c) Modernismo
d) Naturalismo
e) Pré-Modernismo

14
Segundo alguns críticos, as obras de Eça de Queirós possuem um talento raro para combinar a ironia e a sátira com certo lirismo melancólico, o que lhes dá graça e sutileza, apesar do tom caricato de que se revestem algumas passagens, por demais exemplares da hipocrisia social a ser denunciada.
São romances de tese, isto é, que denunciam a hipocrisia social, do escritor:
a) O Crime do Padre Amaro; O Primo Basílio; Os Maias.
b) A Ilustre Casa de Ramires; Prosas Bárbaras; O Primo Basílio.
c) O Crime do Padre Amaro; O Primo Basílio; Prosas Bárbaras.
d) O Crime do Padre Amaro; As Farpas; Prosas Bárbaras.
e) A Relíquia; Os Maias; A Cidade e as Serras.

15
O mais simbolista dos poetas portugueses:
( ) Camilo Pessanha;
( ) Antônio Nobre.

16
Eugênio de Castro deu início ao Simbolismo em Portugal com;
( ) o livro Oaristos; ( ) a publicação de As Flores do Mal

17
(FUVEST)
a) Qual a estética que mais explorou as sonoridades da língua, procurando aproximar a poesia da música?
b) Cite dois representantes dessa estética.
(FUVEST)

18
Só e Clepsidra são obras que pertencem a um mesmo movimento literário. Indique:
a) esse movimento;
b) o autor de cada obra.

19
(UM-SP) A respeito de Fernando Pessoa, é incorreto afirmar que:
a) não só assimilou o passado lírico de seu povo, como refletiu em si as grandes inquietações humanas do começo do século.
b) os heterônimos são meios de conhecer a complexidade cósmica impossível para uma só pessoa.
c) Ricardo Reis simboliza uma forma humanística de ver o mundo do espírito da Antigüidade Clássica.
d) junto com Mário de Sá-Carneiro, dirige a publicação do segundo número de Orpheu, em 196.
e) a Tabacaria, de Alberto Caeiro, mostra seu desejo de deixar o grande centro em busca da simplicidade do campo.

20
(FUVEST) “Já vai andando a récua dos homens de Arganil, acompanham-nos até fora da via as infelizes, que vão clamando, qual em cabelo, Ó doce e amado esposo, e outra protestando, Ó filho, a quem eu tinha só para refrigério e doce amparo desta cansada já velhice minha, não se acabavam as lamentações, tanto que os montes de mais perto respondiam, quase movidos de alta piedade (...)” (José Saramago, Memorial do Convento)
Em muitas passagens do trecho transcrito, o narrador cita textualmente palavras de um episódio de Os Lusíadas, visando criticar o mesmo aspecto da vida de Portugal que Camões, nesse episódio, já criticava. O episódio camoniano e o aspecto criticado são, respectivamente:
a) O Velho do Restelo; a posição subalterna da mulher na sociedade tradicional portuguesa.
b) Aljubarrota; a sangria populacional provocada pelos empreendimentos coloniais portugueses.
c) Aljubarrota; o abandono dos idosos decorrente dos empreendimentos bélicos, marítimos e suntuários.
d) O Velho do Restelo; o sofrimento popular decorrente dos empreendimentos dos nobres.
e) Inês de Castro; o sofrimento feminino causado pelas perseguições da Inquisição.

Respostas:
1. a) Trovadorismo
b) gênero lírico: cantigas de amigo, de amor.
gênero satírico> cantigas de escárnio e de maldizer
2. e
3. a
4. a
5. d
6. c
7. b
8. b
9. c
10. d, b, e, a, f, c
11. b, b, c, c, a, a, a
12. Alternativas assinaladas: b, d, e, h, j, l
13. d
14. a
15. Camilo Pessanha
16. O livro Oaristos
17. a) Simbolismo
b) Camilo Peçanha e Antônio Nobre (há outros nomes)
18. a) Simbolismo
b) Só: Antônio Nobre; Clepsidra: Camilo Pessanha
19. e
20. d
(http://linguaeliteratura.kit.net/exercicios.htm)

MANEIRISMO

http://pt.wikipedia.org/wiki/Maneirismo#Literatura

http://www.lusofoniapoetica.com/index.php/artigos/poesia-portugal/literatura-classica.html

http://www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/M/maneirismo.htm

http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.com/2008/06/o-maneirismo_7814.html

http://www.portalimpacto.com.br/docs/01Ligia1ANOAula18e19e20.pdf

http://vialactea-literatura.blogspot.com/2009/09/o-maneirismo-literario-portugues-e-suas.html

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/maneirismo/maneirismo-9.php

CAMÕES LÍRICO

http://www.anglopiracicaba.com.br/fileupload/siteanglo/camoeslirico-classicismoemaneirismo.pdf

http://www.colegioweb.com.br/literatura/camoes-lirico--as-redondilhas-de-camoes--a-medida-velha-

http://www.colegioweb.com.br/literatura/camoes-lirico--a-lirica-classica--a-medida-nova

http://www.mundocultural.com.br/index.asp?url=http://www.mundocultural.com.br/artigos/colunista.asp?artigo=722

http://www.gargantadaserpente.com/historia/classicismo/camoes.shtml

http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.com/2008/12/cames-lrico.html

http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/a/amor_fogo_que_arde_sem_se_ver_poema
http://www.procampus.com.br/vestibular/resumos/camoes.pdf

http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/t/tanto_meu_estado_incerto_poema

sexta-feira, 19 de março de 2010

CLASSICISMO - EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - II

Os Lusíadas - Luís de Camões - Justifique a afirmação: O discurso do “Velho Restelo” está em oposição a certas concepções dominantes na sociedade portuguesa da época dos grandes descobrimentos, expressas pelo discurso que exalta a empresa navegadora posta em marcha pela Coroa Lusitana.

Resolução: Esse velho, descontente com o empreendimento português de buscar do mundo novas partes, destrói ponto por ponto os ideais que levaram à epopéia das grandes navegações. Começa por desmitificar o ideal da fama, dizendo que ela nada mais é que a vontade de poder, fraude com que os poderosos atiçam as massas para fazê-las apoiar sua política expansionista.
“Chamam-te Fama e Glória soberana / Nomes com que se o povo néscio engana. Esse desejo de mandar só produz danos. Mostra que o projeto ultramarino será um desastre para a sociedade portuguesa, ocasionando o despovoamento e o enfraquecimento do país, já que os homens válidos estarão mortos ou em outras terras e, em Portugal, estarão os velhos, as mulheres, os órfãos. Para ele, a empresa navegadora produzirá somente pobreza, adultério, desamparo. Execra ainda os chamados heróis civilizadores, aqueles que fizeram progredir a sociedade humana, por exemplo: Prometeu, que roubou o fogo do céu e deu aos homens; Dédalo, grande
arquiteto que fabricou para seu filho Ícaro umas asas, presas com cera nos ombros, com cujo auxílio pretendeu voar. Considera todo avanço técnico intrinsecamente mau, porque ocasionam a ruína de seus empreendedores.

02. Identifique a alternativa que não contenha ideais clássicos de arte:

a) Universalismo e racionalismo.
b) Formalismo e perfeccionismo.
c) Obediência às regras e modelos e contenção do lirismo.
d) Valorização do homem (do aventureiro, do soldado, do sábio e do amante) e verossimilhança (imitação da verdade e da natureza).
e) Liberdade de criação e predomínio dos impulsos pessoais.

Resposta: E

03. O culto aos valores universais – o Belo, o Bem, a Verdade e a Perfeição – e a preocupação com a forma aproximaram o Classicismo de duas escolas literárias posteriores. Aponte a alternativa que identifica essas escolas:

a) Barroco e Simbolismo;
b) Arcadismo e Parnasianismo;
c) Romantismo e Modernismo;
d) Trovadorismo e Humanismo;
e) Realismo e Naturalismo.

Resposta: B

04. Não se relaciona à medida nova:

a) versos decassílabos;
b) influência italiana;
c) predileção por formas fixas;
d) sonetos, tercetos, oitavas e odes;
e) cultura popular, tradicional.

Resposta: E

05. O Classicismo propriamente dito, tem por limites cronológicos, em Portugal, as datas de:

a) 1500 e 1601.
b) 1434 e 1516.
c) 1502 e 1578.
d) 1527 e 1580.
e) 1198 e 1434.

Resposta: D

06. Assinale a incorreta sobre Camões:

a) Sua obra compreende os gêneros épico, lírico e dramático.
b) A lírica de Camões permaneceu praticamente inédita. Sua primeira compilação e póstumas, datada de 1595, e organizada sob o título de As Rimas de Luis de Camões, por Fernão Rodrigues Lobo Soropita.
c) Sua lírica compõe-se exclusivamente de redondilhas e sonetos.
d) Apesar de localizada no período clássico-renascentista, a obra de citações barrocas.
e) Representa a amadurecimento de língua portuguesa, sua estabilização e a maior manifestação de sua excelência literária.

Resposta: C

07. Ainda sobre Camões, assinale a incorreta:

a) Não há um texto definitivo de lírica camoniana. Atribuem-se-lhe cerca de 380 composições líricas, destacando-se os cerca de 200 sonetos, alguns de autoria controversa.
b) Camões teria reunido sua lírica sob o titulo de O Parnaso Lusitano, que se perdeu, e do qual há algumas referências nas cartas do poetas.
c) As redondilhas de Camões seguem os moldes da poesia palaciana do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende e , mesmo na medida velha, o poeta superou seus contemporâneos e antecessores.
d) A lírica na medida velha, tradicional, medieval, vale-se dos motes glosados, das redondilhas e são de cunho galante, alegre madrigalesco.
e) A principal diferença entre a poesia lírica e a poesia épica é formal e manifesta-se da utilização de versos de diferentes metros.

Resposta: E

08. Não são modalidade da medida nova:

a) canção e elegia;
b) soneto e ode;
c) terceto e oitava;
d) écloga e sextina;
e) trova e vilancete.

Resposta: E

09. (FUVEST-SP) Na Lírica de Camões:

a) o verso usado para a composição dos sonetos é o redondilho maior;
b) encontram-se sonetos, odes, sátiras e autos;
c) cantar a pátria é o centro das preocupações;
d) encontra-se uma fonte de inspiração de muitos poetas brasileiros do século XX;
e) a mulher é vista em seus aspectos físicos, despojada de espiritualidade.

Resposta: D

10. (MACKENZIE-SP) Sobre o poema Os Lusíadas, é incorreto afirmar que:

a) quando a ação do poema começa, as naus portuguesas estão navegando em pleno Oceano Índico, portanto no meio da viagem;
b) na Invocação, o poeta se dirige às Tágides, ninfas do rio Tejo;
c) Na ilha dos Amores, após o banquete, Tétis conduz o capitão ao ponto mais alto da ilha, onde lhe descenda a “máquina do mundo”;
d) Tem como núcleo narrativo a viagem de Vasco da Gama, a fim de estabelecer contato marítimo com as Índias;
e) É composto em sonetos decassílabos, mantendo em 1.102 estrofes o mesmo esquemas de rimas.

Resposta: E

quarta-feira, 17 de março de 2010

CLASSICISMO - EXERCÍCIOS RESOLVIDOS I

http://www.vestibular1.com.br/exercicios/literatura_portuguesa_classicismo.htm

QUADRO COMPARATIVO: CLASSICISMO X ROMANTISMO

http://www.brasilescola.com/literatura/classicismo-x-romantismo.htm

A FARSA DE INÊS PEREIRA (GIL VICENTE)

http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/a/a_farsa_de_ines_pereira

http://www.escolas.trendnet.com.br/svp-jundiai/lend/historia/gilvicen.htm

http://www.filologia.org.br/ixcnlf/8/03.htm

http://www.scribd.com/doc/9669942/Analise-Da-Farsa-Ins-Pereira

http://leitejr.sites.uol.com.br/prova/20070616_edfreire_ea_fgv.htm

http://www.klickeducacao.com.br/2006/materia/21/display/0,5912,POR-21-104-2358-5313,00.html

http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=resumos/docs/inespereira

http://vestibular.uol.com.br/ultnot/livrosresumos/ult2755u45.jhtm

http://www.mundovestibular.com.br/articles/440/1/A-FARSA-INES-PEREIRA---Gil-Vicente-Resumo/Paacutegina1.html

AUTO DA ALMA (GIL VICENTE)

http://www.gilvicente.eu/autos/alma.html

http://franciscomuriel.blogspot.com/2007/10/analiseauto-da-almade-gil-vicentelit.html

http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/4761.pdf

http://www.alb.com.br/anais15/Sem12/andreaoliveira.htm
http://www.todasasmusas.org/02Flavia_Corradin.pdf

terça-feira, 16 de março de 2010

AUTO DA BARCA DO INFERNO

http://www.portalimpacto.com.br/docs/01Anisio1ANOAula08OTeatroPopulardoGilVicente.pdf

http://recantodasletras.uol.com.br/teorialiteraria/659908

http://pt.wikipedia.org/wiki/Auto_da_Barca_do_Inferno

http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/a/auto_da_barca_do_inferno/

http://educacao.uol.com.br/portugues/ult1706u56.jhtm

http://www.scribd.com/doc/11768298/Auto-Da-Barca-Do-Inferno-Uma-Leitura

http://versoeprosa.ning.com/profiles/blogs/analise-literaria-o-auto-da

http://www.coladaweb.com/literatura/analise-de-obras/o-auto-da-barca-do-inferno

http://www01.madeira-edu.pt/projectos/vemaprenderportugues/Leituras/Curiosidades/docs/sintese_auto_inferno.htm

http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=resumos/docs/barca

http://www.mundovestibular.com.br/articles/544/1/AUTO-DA-BARCA-DO-INFERNO---Gil-Vicente--Resumos/Paacutegina1.html

GIL VICENTE

http://www.gilvicente.eu/

http://www.mundocultural.com.br/index.asp?url=http://www.mundocultural.com.br/literatura1/humanismo/gilvicente.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gil_Vicente

http://www.netsaber.com.br/resumos/ver_resumo_c_2920.html

http://www.teiaportuguesa.com/literaturagilvicente.htm

http://ourique-catia.blogspot.com/2006/06/gil-vicente-o-maior-dramaturgo.html

http://www.portalimpacto.com.br/docs/01Anisio1ANOAula08OTeatroPopulardoGilVicente.pdf

segunda-feira, 15 de março de 2010

HUMANISMO - EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

01. Sobre o Humanismo, identifique a alternativa falsa:

a) Em sentido amplo, designa a atitude de valorização do homem, de seus atributos e realizações.
b) Configura-se na máxima de Protágoras: “O homem é a medida de todas as coisas”.
c) Rejeita a noção do homem regido por leis sobrenaturais e opõe-se ao misticismo.
d) Designa tanto uma atitude filosófica intemporal quanto um período especifico da evolução da cultura ocidental.
e) Fundamenta-se na noção bíblica de que o homem é pó e ao pó retornará, e de que só a transcendência liberta o homem de seu insignificância terrena.

Resposta: E

02. Ainda sobre o Humanismo, assinale a afirmação incorreta:

a) Associa-se à noção de antropocentrismo e representou a base filosófica e cultural do Renascimento.
b) Teve como centro irradiador a Itália e como precursor Dante Alighieri, Boccaccio e Petrarca.
c) Denomina-se também Pré-Renascentismo, ou Quatrocentismo, e corresponde ao século XV.
d) Representa o apogeu da cultura provençal que se irradia da França para os demais países, por meio dos trovadores e jograis.
e) Retorna os clássicos da Antiguidade greco-latina como modelos de Verdade, Beleza e Perfeição.

Resposta: D

03. Sobre a poesia palaciana, assinale a alternativa falsa:

a) É mais espontânea que a poesia trovadoresca, pela superação da influência provençal, pela ausência de normas para a composição poética e pelo retorno á medida velha.
b) A poesia, que no trovadorismo era canto, separa-se da música, passando a ser fala. Destina-se à leitura individual ou à recitação, sem o apoio de instrumentos musicais.
c) A diversidade métrica da poesia trovadoresca foi praticamente reduzida a duas medidas: os versos de 7 sílabas métricas (redondilhas menores).
d) A utilização sistemática dos versos redondilhas denominou-se medida velha, por oposição à medida nova, denominação que recebemos os versos decassílabos, trazidos da Itália por Sá de Miranda, em 1527.
e) A poesia palaciana foi compilada em 1516, por Garcia de Resende, no Cancioneiro Geral, antologia que reúne 880 composições, de 286 autores, dos quais 29 escreviam em castelhano. Abrange a produção poética dos reinados de D. Afonso V (1438-1481), de D. João II (1481-1495) e de D. Manuel I – O Venturoso (1495-1521).

Resposta: A

04. O Cancioneiro Geral não contém:

a) Composições com motes e glosas.
b) Cantigas e esparsas.
c) Trovas e vilancetes.
d) Composições na medida velha.
e) Sonetos e canções.

Resposta: E

05. A obra de Fernão Lopes tem um caráter:

a) Puramente científico, pelo tratamento documental da matéria histórica;
b) Essencialmente estético pelo predomínio do elemento ficcional;
c) Basicamente histórico, pela fidelidade à documentação e pela objetividade da linguagem científica;
d) Histórico-literário, aproximando-se do moderno romance histórico, pela fusão do real com o imaginário.
e) Histórico-literário, pela seriedade da pesquisa histórica, pelas qualidades do estilo e pelo tratamento literário, que reveste a narrativa histórica de um tom épico e compõe cenas de grande realismo plástico, além do domínio da técnica dramática de composição.

Resposta: E

06. (FUVEST) Aponte a alternativa correta em relação a Gil Vicente:

a) Compôs peças de caráter sacro e satírico.
b) Introduziu a lírica trovadoresca em Portugal.
c) Escreveu a novela Amadis de Gaula.
d) Só escreveu peças e português.
e) Representa o melhor do teatro clássico português.

Resposta: A

07. (FUVEST-SP) Caracteriza o teatro de Gil Vicente:

a) A revolta contra o cristianismo.
b) A obra escrita em prosa.
c) A elaboração requintada dos quadros e cenários apresentados.
d) A preocupação com o homem e com a religião.
e) A busca de conceitos universais.

Resposta: D

08. (FUVEST-SP) Indique a afirmação correta sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente:

a) É intricada a estruturação de suas cenas, que surpreendem o público com a inesperado de cada situação.
b) O moralismo vicentino localiza os vícios, não nas instituições, mas nos indivíduos que as fazem viciosas.
c) É complexa a critica aos costumes da época, já que o autor primeiro a relativizar a distinção entre Bem e o Mal.
d) A ênfase desta sátira recai sobre as personagens populares mais ridicularizadas e as mais severamente punidas.
e) A sátira é aqui demolidora e indiscriminada, não fazendo referência a qualquer exemplo de valor positivo.

Resposta: B

09. (FUVEST-SP) Diabo, Companheiro do Diabo, Anjo, Fidalgo, Onzeneiro, Parvo, Sapateiro, Frade, Florença, Brísida Vaz, Judeu, Corregedor, Procurador, Enforcado e Quatro Cavaleiros são personagens do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente.
Analise as informações abaixo e selecione a alternativa incorreta cujas características não descrevam adequadamente a personagem.

a) O Onzeneiro idolatra o dinheiro, é agiota e usurário; de tudo que juntara, nada leva para a morte, ou melhor, leva a bolsa vazia.
b) O Frade representa o clero decadente e é subjugado por suas fraquezas: mulher e esporte; leva a amante e as armas de esgrima.
c) O Diabo, capitão da barca do inferno, é quem apressa o embarque dos condenados; é dissimulado e irônico.
d) O Anjo, capitão da barca do céu, é quem elogia a morte pela fé; é austero e inflexível.
e) O Corregedor representa a justiça e luta pela aplicação integra e exata das leis; leva papéis e processos.

Resposta: E

10. Leia com atenção o fragmento do Auto da Barco do Inferno, de Gil Vicente:
Parvo - - Hou, homens dos breviários,
Rapinastis coelhorum
Et pernis perdigotorum
E mijais nos campanários.
Não é correto afirmar sobre o texto:

a) As falas do Parvo, como esta, sempre são repletas de gracejos e de palavrões, com intenção satírica.
b) Nesta fala, o Parvo está denunciando a corrupção do Juiz e do Procurador.
c) O latim que aparece na passagem é exemplo de imitação paródia dessa língua.
d) Por meio de seu latim, o Parvo afasta-se de seu simplicidade, mostrando-se conhecedor de outra línguas.
e) Ao misturar um falso latim com palavrões, Gil Vicente demonstra a natureza popular de seu teatro e de seus canais de expressão.

Resposta: D
(Encontrado em http://www.coladaweb.com/questoes/portugues/humoup-ren.htm)

LINKS SOBRE HUMANISMO

http://www.gargantadaserpente.com/historia/humanismo/index.shtml

http://www.profabeatriz.hpg.ig.com.br/literatura/humanismo.htm

http://www.infoescola.com/literatura/humanismo/

http://www.scribd.com/doc/3374038/Literatura-Aula-02-Humanismo

http://www.rainhadapaz.g12.br/projetos/portugues/literatura/humanismo.htm

http://www.enciclopedia.com.pt/articles.php?article_id=1254

http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.com/2008/07/estudo-das-propores-humanas-leonardo-da.html

http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adrienearaujo/literatura004.asp

http://www.scribd.com/doc/3432598/Literatura-PreVestibular-Vetor-Humanismo14341527

http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/934030
http://www.coladaweb.com/literatura/humanismo-e-renascimento

quinta-feira, 11 de março de 2010

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOBRE TROVADORISMO

01. Assinale a afirmação falsa:

a) A cultura portuguesa, no século XII, conciliava três matrizes contraditórias: a católica, a islâmica e a hebraica.
b) A cultura católica, técnica e literariamente superior às culturas islâmica e hebraica, impôs-se naturalmente desde os primórdios da formação de Portugal.
c) A expulsão dos mouros e judeus e a Inquisição foram os aspectos mais dramáticos da destruição sistemática que a cultura triunfante impôs às culturas opostas.
d) O judeu Maimônides e o islamista Averróis são expressões do que as culturas dominadas produziram de mais significativo na Península Ibérica.
e) Pode-se dizer que a cultura portuguesa esteve desde seu início assentada na diversidade e na contradição, do que resultaram alguns de seus traços positivos (miscibilidade, aclimatabilidade etc.) e negativos (tendência ao ceticismo quanto a idéias, desconfiança etc.

Resposta: B

02. Assinale a afirmação falsa sobre as cantigas de escárnio e mal dizer:

a) A principal diferença entre as duas modalidades satíricas está na identificação ou não da pessoa atingida.
b) O elemento das cantigas de escárnio não é temático, nem está na condição de se omitir a identidade do ofendido. A distinção está no retórico do “equívoco”, da ambigüidade e da ironia, ausentes na cantiga de maldizer.
c) Os alvos prediletos das cantigas satíricas eram os comportamentos sexuais (homossexualidade, adultério, padres e freiras libidinosos), as mulheres (soldadeiras, prostitutas, alcoviteiras e dissimuladas), os próprios poetas (trovadores e jograis eram freqüentemente ridicularizados), a avareza, a corrupção e a própria arte de trovar.
d) As cantigas satíricas perfazem cerca de uma quarta parte da poesia contida nos cancioneiros galego- portugueses. Isso revela que a liberdade da linguagem e a ausência de preconceito ou censura (institucional, estética ou pessoal) eram componentes da vida literária no período trovadoresco, antes de a repressão inquisitorial atirá-las à clandestinidade.
e) Algumas composições satíricas do Cancioneiro Geral e algumas cenas dos autos gilvicentinos revelam a sobrevivência, já bastante atenuada, da linguagem livre e da violência verbal dos antigos trovadores.

Resposta: A

03. A língua portuguesa não é falada:

a) no arquipélago dos Açores e na Ilha da Madeira;
b) em Gibraltar e nas Ilhas Canárias;
c) no arquipélago de Cabo Verde, nas ilhas de São Tomé e Porto Príncipe, na Guiné-Bissau em Angola e em Moçambique;
d) em Macau e em dialetos crioulos de Goa, Damão, Sri Lanka (ex-Ceilao), Java e Málaca;
e) no Timor Leste, parte oriental da ilha de Timor, próxima da Oceania, mas que os mapas geopolíticos atuais incorporam ao Sudeste Asiático.

Resposta: B

Questões 04 e 05 - Assinale V (verdadeiro) e F para (falso)

04. ( ) A Provença, região sul da França, chamada Langue d´Oc ou Languedo, foi o berço das primeiras manifestações de uma lírica sentimental, cortês, refinada, que fazia da mulher o santuário de sua inspiração poética e musical.

ResOLUÇÃO: v

05. ( ) Enquanto no sul da Europa, nas proximidades do Mediterrâneo, alastrava-se o lirismo trovadoresco, voltado para a exaltação do amor, para a vassalagem amorosa, no norte predominava o espírito guerreiro, épico, que celebrava nas canções de gesta o heroísmo da cavalaria medieval.

RESOLUÇÃO: V


Questões 06 a 10 - Assinale V (verdadeiro) ou F (falso)

06. ( ) No inicio do século XIII, a intransigência religiosa arrasou a Provença e dispersou seus trovadores, mas a lírica provençalesca já havia fecundado a poesia ocidental com a beleza melódica e a delicadeza emocional de sua poesia-música, impondo uma nova concepção do amor e da mulher.

RESOLUÇÃO: V

07. ( ) A canção associava o amor-elevação, puro, nobre, inatingível, ao amor dos sentidos, carnal, erótico; a alegria da razão (o amor intelectual) à alegria dos sentidos.

RESOLUÇÃO: V

08. ( ) A poesia lírica dos provençais teve seguidores na França, na Itália, na Alemanha, na Catalunha, em Portugal e em outras regiões , onde também os temas folclóricos foram beneficiados com a forma mais culta e elaborada que os trovadores disseminaram.

RESOLUÇÃO: V

09. ( ) Foi o que ocorreu em Portugal e Galiza: a poesia primitiva, oral, autóctone, associada à musica e à coreografia e protagonizada por uma mulher, as chamadas cantigas de amigo, passaram a se beneficiar do contato com uma arte mais rigorosa e mais consciente de seus meios de realização artística.

RESOLUÇÃO: V

10. ( ) O primeiro trovador provençal foi Guilherme IX, da Aquitânia (1071-1127). Bernart de Ventadorn e Jaufre Rudel representam a poesia mais simples, facilmente inteligível; Marcabru, Raimbaut d´Aurenga e especialmente Arnault Daniel representam a poesia mais elaborada, com imagens e associações inesperadas, capazes de encantar os mais rigorosos exegetas, de Dante Alighieri a Ezra Pound.

RESOLUÇÃO: V

http://www.coladaweb.com/questoes/portugues/trov.htm

LINKS SOBRE TROVADORISMO

http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/trovadorismo.htm

http://www.brasilescola.com/literatura/trovadorismo.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Trovadorismo

http://www.graudez.com.br/literatura/trovadorismo.html

http://www.jackbran.pro.br/literatura/trovadorismo_portugues.htm

http://www.gargantadaserpente.com/historia/trovadorismo/trovadorismo.pdf

http://pre-vestibular.arteblog.com.br/26507/TROVADORISMO-cantiga-de-amor-de-Paio-Soares-de-Taveir-s/

http://www.coladaweb.com/literatura/trovadorismo

http://www.clerioborges.com.br/oficinatrovadorismo.html

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/trovadorismo/trovadorismo-2.php

http://educacao.uol.com.br/portugues/trovadorismo-poesia.jhtm

http://www.profabeatriz.hpg.ig.com.br/literatura/trovadorismo.htm

http://www.gargantadaserpente.com/historia/trovadorismo/index.shtml

http://www.slideshare.net/clauheloisa/trovadorismo-ii-prosa

http://www.tiosam.net/enciclopedia/?q=Trovadorismo

http://www.webvestibular.com.br/revisoes/literatura/trovadorismo.htm

http://www.vestibular1.com.br/exercicios/literatura_portuguesa_classicismo.htm

terça-feira, 9 de março de 2010

UFMG - livros do vestibular 2011

1. O desertor, de Manuel Inácio da Silva Alvarenga
2. A carteira de meu tio, de Joaquim Manuel de Macedo
3. Contos de aprendiz, de Carlos Drummond de Andrade
4. A estrela sobe, de Marques Rebelo
5. O homem e sua hora, de Mário Faustino

Fuvest e Unicamp - livros para vestibular 2011

Foi divulgada, em 22/01/2010, a lista de leituras para os vestibulares de 2011 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Fuvest, que selecina para a Universidade de São Paulo (USP).

A lista não traz alterações em relação à da última edição dos vestibulares destas instituições, sendo composta pelas obras:


- "Auto da barca do inferno", de Gil Vicente;
- "Memórias de um sargento de Milícias", Manuel Antônio de Almeida;
- "Iracema", de José de Alencar;
- "Dom Casmurro", de Machado de Assis;
- "O Cortiço", de Aluísio Azevedo;
- "A cidade e as serras", de Eça de Queirós;
- "Vidas secas", de Graciliano Ramos;
- "Capitães da areia", de Jorge Amado;
- "Antologia poética", Vinícius de Moraes com base na 2ª edição aumentada.

LITERATURA MEDIEVAL

VÍDEOS SOBRE TROVADORISMO